História e Composição Química do Creme Dental

Você está aqui

Home / Curiosidades de Química / História e Composição Química do Creme Dental

O uso do creme dental é essencial para manter os dentes saudáveis e protegidos das cáries
O uso do creme dental é essencial para manter os dentes saudáveis e protegidos das cáries

Curtidas

0

Comentários

0

por Jennifer

Compartilhe:
Por Jennifer Rocha

A preocupação com a aparência tem sido uma grande preocupação do homem desde a mais remota antiguidade e, isso inclui a limpeza e clareamento dos dentes. Isso não é só importante pela estética, mas também para nossa saúde e sobrevivência.

Assim, para realizar a limpeza dos dentes por volta de 4000 a. C os egípcios criaram um dos primeiros dentifrícios de que se tem registro. Um dentifrício é um preparado para a limpeza dos dentes. Ele era constituído de pedra-pomes pulverizadas (formadas por 70% de óxido de silício e 30% de óxido de alumínio) e vinagre

Os mais ricos o aplicavam nos dentes com pelos de cavalos. Os pobres usavam pequenos ramos dos arbustos ou mesmo os dedos.


Pedra-pomes usada nos primeiros dentifrícios

Mais tarde, por volta de 300 a 500 a.C. os chineses produziram um dentifrício com cinza, ossos de boi, arroz em pó e casca de ovos em pó, cujo principal componente é o carbonato de cálcio.

No século I d.C. os romanos pegaram a mistura de pedra-pomes e vinagre e acrescentaram os mel, sangue, carvão, olhos de caranguejos, ossos moídos da cabeça de coelhos e urina humana para deixar os dentes mais brancos.

Foi somente em 1850, nos Estados Unidos, que se criou o primeiro dentifrício parecido com o que usamos hoje e que era de interesse comercial. Um dentista americano o criou, fazendo-o primeiro na forma de pó e posteriormente ele foi passado para a forma de pasta.

Existem dentifrícios das mais variadas formas: em pó, líquidos e em pasta, sendo este último o mais usado no mundo todo.

O que chamamos de pasta ou creme dental é um dentifrício que possui geralmente como principais componentes os alistados na tabela abaixo:


Composição química dos dentifrícios em pasta

Os componentes das pastas de dente que são os mais importantes para a limpeza adequada são os abrasivos, pós insolúveis em água que mantêm a uniformidade e tamanho das partículas. Os principais abrasivos usados são o carbonato de cálcio (CaCO3) e o óxido de silício (SiO2).

Esses abrasivos são básicos, diminuindo a acidez da boca, porque o meio ácido favorece a formação de cáries. Isso acontece porque o principal componente do esmalte dos dentes é a hidroxiapatita,Ca5OH(PO4)3(s). Esse sal é insolúvel em água, mas é atacado por ácidos ocorrendo a sua dissolução que é denominada desmineralização; e o processo inverso, mineralização:


Equilíbrio de dissociação da hidroxiapatita dos dentes

Se o meio estiver ácido, os íons H+ reagirão com os íons OH-, diminuindo a concentração deste e deslocando o equilíbrio químico acima no sentido da reação direta, que é o de desmineralização da hidroxiapatita dos dentes.

As bactérias presentes nos dentes se alimentam de proteínas e açúcares metabolizando-os a ácidos que atacarão os dentes, dissolverão seu esmalte e formarão as cáries. O conjunto formado pelas proteínas e as bactérias que se acumulam no esmalte dos dentes é chamado de placa bacteriana ou biofilme.

A escovação com a pasta de dentes com o auxílio do fio dental remove essa placa bacteriana e impede que as cáries se formem. Além disso, como os abrasivos são alcalinos eles deslocam o equilíbrio químico no sentido da reação inversa, que é o de mineralização, isto é, da reconstituição da hidroxiapatita.

O espumante é um detergente, que na maioria dos casos é o laurilssulfato de sódio, mostrado abaixo:

H3C — CH2 — CH2 — CH2 — CH— CH2 — CH2 — CH2 — CH2 — CH2 — CH2 — CH2 — OSO-3Na+

Os detergentes são importantes porque eles são agentes tensoativos, ou seja, diminuem a tensão superficial da pasta dental e permite que ela penetre em fissuras e partes mais difíceis dos dentes, auxiliando na remoção de detritos dos esmaltes dos dente e realizando uma limpeza mais eficiente.


A espuma do creme dental é resultado do uso de detergentes em sal composição

A água permite que a pasta de dente fique fluida e solubiliza todos os seus constituintes.

O umectante (glicerina, sorbitol ou polietilenoglicol) é usado para melhorar a aparência e consistência do produto e principalmente para evitar a sua secagem.

Os aglutinantes são materiais sintéticos, tais como o carboximetilcelulose, que impedem que as partes líquidas se separem das sólidas.

O sabor doce das pastas de dentes é graças aos edulcorantes, que geralmente são o sorbitol ou a sacarina.

Os agentes terapêuticos são usados para finalidades específicas, como bactericidas, antiácidos, para remover manchas de cigarros, para dentes hipersensíveis (com nitrato de potássio (KNO3), ou citrato de sódio (C6H5O7Na3) ou cloreto de estrôncio (SrCl2) e para combater cáries.

Os agentes terapêuticos mais importantes para combater as cáries são os sais de flúor (e não apenas o flúor, como aparece em muitas embalagens), tais como o monoflúor fosfato de sódio (Na4(PO4)F) e o fluoreto de sódio (NaF). Esses componentes ajudam a deslocar o equilíbrio químico mostrado mais acima no sentido da mineralização da hidroxiapatita.

Isso acontece porque a presença dos íons fluoreto (F-) dos sais de flúor tem a propriedade de substituir os íons hidroxila (OH-) na hidroxiapatita e a transformam em fluorapatita (Ca5F(PO4)3), que é ainda menos insolúvel em água e menos suscetível ao ataque dos ácidos, pois não se forma a hidroxila em sua dissociação:

5Ca2+(aq) + 3PO43–(aq) + F(aq) ↔ Ca5(PO4)3F(s)


Por Jennifer Fogaça
Graduada em Química

Curtidas

0

Comentários

0

por Jennifer

Compartilhe: