Bomba Atômica

Você está aqui

Home / Físico-Química / Química Nuclear / Bomba Atômica

A nuvem de poeira que se forma com a explosão da bomba atômica tem o formato de um cogumelo
A nuvem de poeira que se forma com a explosão da bomba atômica tem o formato de um cogumelo

Curtidas

0

Comentários

0

por Jennifer

02 Dec 2014

Compartilhe:

A bomba atômica é um artefato militar que se baseia na fissão nuclear, que é quando se bombardeia com nêutrons um núcleo atômico pesado e instável, provocando a sua partição e dando origem a dois núcleos atômicos médios, dois ou três nêutrons e uma quantidade enorme de energia.

O esquema a seguir ilustra a fissão nuclear do isótopo urânio-235 (92235U), que é bombardeado com nêutrons em velocidade moderada e parte-se, dando origem aos isótopos do bário (56142Ba) e do criptônio (3691Kr), além de três nêutrons:

01n + 92235U → 56142Ba + 3691Kr + 3 01n

Exemplo de reação de fissão nuclear do urânio-235
Exemplo de reação de fissão nuclear do urânio-235

Sob determinadas condições, essa fissão pode resultar em uma reação em cadeia, em que os nêutrons liberados continuam bombardeando outros núcleos atômicos de urânio-235 na vizinhança, liberando cada vez mais nêutrons e mais energia. Para que isso ocorra, é necessário que a massa de urânio-235 atinja a chamada “massa físsil”, que é a menor massa fissionável capaz de sustentar uma reação em cadeia.

Assim, esse processo de reação em cadeia da fissão nuclear é usado na construção da bomba atômica. Essa massa crítica que pode ser do urânio-235 ou do plutônio-239 (94239Pu) é dividida em várias massas subcríticas, que são cercadas de explosivos de TNT (trinitrotolueno). No centro dessas massas subcritícas são colocados nêutrons.

No momento da detonação da bomba, as cargas de TNT explodem, juntando as massas subscríticas e formando a massa crítica que entra em contato com os nêutrons. Visto que envolve reações que ocorrem no núcleo dos átomos, a bomba atômica também é chamada de bomba nuclear. O primeiro teste de uma bomba atômica foi feito pelos Estados Unidos em 16 de julho de 1945 na Base Aérea de Alamogordo, no deserto do Novo México.

A Segunda Guerra Mundial (1939-1945) terminou com o lançamento de duas bombas atômicas. O ataque foi ordenado pelo presidente americano Harry Truman sobre duas cidades do Japão, Hiroshima e Nagasaki. A primeira bomba lançada na história foi a que caiu sobre Hiroshima, em 6 de agosto de 1945 à 8h45min, destruindo tudo que estava ao redor da cidade em um raio de 2 km de distância. Era uma bomba atômica de urânio-235 de potência igual a 21 quilotons (1 quiloton equivale à explosão de 1000 toneladas de TNT), que ficou conhecida como little boy.

Bomba little boy lançada em Hiroshima
Bomba little boy lançada em Hiroshima

Varrendo tudo com as altas temperaturas, que atingiram a ordem de milhões de graus Celsius, e com a pressão da explosão, essa bomba matou 66 mil pessoas e deixou 69 mil feridos.

A massa gasosa da bomba emite várias radiações eletromagnéticas em elevadas concentrações, tais como raios X e raios ultravioleta (UV). Essas radiações possuem uma alta luminosidade que pode destruir a retina e cegar quem olhar diretamente para elas. Forma-se também uma bola de fogo que, além de varrer tudo ao seu redor, atinge o solo, causando uma espécie de furacão, e depois atinge a estratosfera, em um efeito que parece um cogumelo.

A radiação liberada no decorrer do tempo originou doenças como o câncer e mutações genéticas, matando ainda muitos outros. Três dias depois, em 9 de agosto de 1945, uma segunda bomba atômica, feita de plutônio-239, foi lançada sobre Nagasaki, matando 39 mil e ferindo 25 mil.

Efeitos da bomba atômica sobre a cidade de Hiroshima no Japão
Efeitos da bomba atômica sobre a cidade de Hiroshima no Japão

Para a produção rápida da bomba atômica, os Estados Unidos montaram um esquema secreto chamado de Projeto Manhattan. Vários cientistas foram recrutados, mas pensavam que a bomba não seria usada como uma arma militar, e sim como uma forma de simplesmente mostrar o seu teste para o governo japonês e para os governos aliados, o que forçaria o Japão a render-se e salvaria muitas vidas. Mas, infelizmente, sabemos que não foi isso o que aconteceu.

A pesquisa foi promovida pelo físico Leo Szilard (1898-1964), e um dos cientistas que se integraram a ela, em 1939, foi Albert Einstein (1879-1955).

“The Atomic Bomb Done” (a cúpula da bomba atômica), monumento em memória dos que morreram com o lançamento da bomba atômica em Hiroshima
The Atomic Bomb Done” (a cúpula da bomba atômica), monumento em memória dos que morreram com o lançamento da bomba atômica em Hiroshima


Por Jennifer Fogaça
Graduada em Química

Curtidas

0

Comentários

0

por Jennifer

02 Dec 2014

Compartilhe: